how to make a wormery

Em Português um pouco mais abaixo, depois das fotografias.

We moved into this flat two years ago, in attempt to reduce the waste that we send to landfill we made a little wormery.

Ours is a small two bedroom, and we are a family of six, with no exterior space; I think it is safe to say: If we can do it, so can you! I will be honest, it does not take all our food scraps, but it helps! We also save some in the freezer, in paper bags and take them to the educational project where I volunteer once a week, as a permaculture facilitator. This size it would probably be perfect for a couple, I wish I could also have a bokashi but I literally have no space!

Here’s what we did, in case you want to make one or two:

-2 stack-able bins

(We bought two Ikea black bins. It is important that the bins are dark because worms like the darkness, however you could wrap paper around a transparent bin etc, first use what you have. It is also important that one bin fits inside the other; you will need to make holes in one bin so that the excess liquid can get out, and the “outside” bin will collect that extra liquid.)

– cardboard, waste paper or newspaper

– worms (we bought ours on the internet, but if you know someone with a compost bin ask for some)

– because our inside bin nearly touches the bottom of the outside one, I use a scrap of wood at the bottom to lift the bin a bit more, so that the liquid can really drop off the first one.

As I said above, you will have to make holes in one bin, we used a screw and heated it on stove to make the holes on the bottom, lid and some on the side as well. Then we added a bit of soil, some paper strips, and with a spray bottle got the whole thing moist, and in with the worms. We keep adding paper and food waste to the bin, when it gets full we give it a couple of days, and see how it goes.

I have emptied the bins twice and I gave this black gold to a friend with a garden; I won’t lie, it is a messy job to sort it out, but I feel a bit better in our contribution a tiny it to reduce our waste.

 

P1110276P1110278P1110280P1110281P1110283P1110284P1110285P1110287P1110288

Nós mudamo-nos para este apartamento há dois anos, na tentativa de reduzir os resíduos que enviamos para o aterro fizemos um pequeno vermicompostor.

Vivemos num pequeno T2, e somos uma família de seis pessoas, sem espaço exterior; Penso que  é seguro dizer: Se nós podemos fazer isso, você também pode! Eu vou ser honesta, não consigo compostar nestes baldes todos os nossos restos de comida, mas já é uma grande ajuda! O resto guardamos no congelador, em sacos de papel e levamos para o projeto educacional onde eu trabalho como voluntário uma vez por semana, como facilitador de permacultura. Esse tamanho provavelmente seria perfeito para um casal. Eu também gostaria de ter um bokashi, mas não temos mesmo espaço!
Aqui está o que fizemos, caso você queira fazer um ou dois:

-2 caixas que caibam uma dentro da outra empilhadas

(Compramos duas caixas pretas da Ikea. É importante que as caixas sejam escuras, porque as minhocas gostam do escuro, no entanto pode colocar papel à volta de uma caixa transparente, se é isso que tem à mão. Também é importante que uma caixa encaixe dentro da outra, pois uma caixa vai ser onde a compostagem é feita, e a outra para onde vai cair o excesso de liquido que é feito da compostagem.

– cartão, papel usado ou folhas de jornal

– minhocas (compramos na internet, mas se conhece alguém com um compostor, peça um pouco)

– Como a nossa caixa de cima quase que  toca no fundo da cixa de fora, eu uso um pedaço de madeira dentro da caixa de fora para levantar um pouco mais a caixa de dentro, para que o líquido possa realmente cair da primeira.

Como eu disse acima, terá que fazer furos só numa caixa. Nós usamos um parafuso e aquecemos-o no fogão para fazer os furos na parte de baixo, na tampa e alguns na lateral também. Em seguida, adicionamos um pouco de terra, algumas tiras de papel e, com um borrifador, deixamos a coisa toda humida e por fim adicionamos as minhoca. No dia a dia adicionamos papel e restos de comida ao compostor, quando fica cheio, deixamos passar uns dias e vamos vendo como está, e assim adicionar mais consoante o trabalho das minhocas.

Eu já esvaziei as caixas duas vezes e dei este ouro preto a uma amiga com uma horta; Eu não vou mentir, dá um pouco de trabalho estar a separar o composto das minhocas, mas eu me sinto um pouco melhor em contribuir para a redução do nosso lixo.

Advertisements

Salads that keep well

IMG_4748IMG_4757

Em português, um pouco mais abaixo.

 

Salads are one thing that I would often omit from our meals. I mean, sometimes is a struggle just to cook a meal let alone a salad that will mostly be me eating it… Especially the green leaves variety…

Is not just that though, it’s very hard to find green leaf salad package free, additionally, once they have the dressing you need to eat them straight way and the leaves don’t keep very well in the fridge. I have had good results by wrapping them in a damp cloth, so if you’re better than me at remembering to make a salad, I would advice that.

Earlier in the year I found a solution much more to my liking! The kind of salad that one can make a big bowl of, drizzle the dressing over and it’ll keep in the fridge for the next few days, if it lasts that long… Because once your salad is done, dressing and all, its very easy to add it to any meal; the salad itself could and sometimes is a meal in itself, add some brown rice or roasted sweet potatoes and we’re done.

This red cabbage salad is the one I have been making more often, with some variations, but today it had:

Red cabbage, beetroot, carrot, coriander, raisins, mint, sunflower and pumpkin seeds. Sometimes I add apple or white cabbage and I don’t always make it with all the ingredients. The dressing was olive oil, cider vinegar, honey, garlic, ginger and soy sauce, again, sometimes I don’t use all the above.

I’m not one to make separate food for my children, but I know they’ll eat some of these if it’s not all tossed together, so usually I grate carrot and beetroot with just olive oil and vinegar, and another bowl with the toasted seeds. It also keeps well, covered, in the fridge.

Other salads that I have made, and follow the same idea:

Yesterday I came across this cauliflower salad that looks delicious, and this one I haven’t tried yet, but it too looks like it might keep well.

 

Saladas é uma das comidas que muitas vezes faltava à minha mesa. Ás vezes já é dificil de cozinhar uma refeição, quanto mais arranjar uma salada que quase só eu é que como… Especialmente se fôr de alface ou outras folhas verdes.

Mas não é só isso, é muito dificil encontrar folhas verdes que não venham num saco de plástico, e depois da salada feita, tem que se comer toda numa refeição porque com o tempero a salada não dura nenhum tempo no frigorifico, para além de tudo isto, as folhas, mesmo sem serem temperadas, não duram muito tempo no frigorifico. Eu tenho tido bons resultados em enrola-las num pano humido, por isso se você se lembrar mais vezes do que eu a fazer uma salada, é essa a maneira que eu aconcelho a guardá-las no frigorifico.

Desde o inicio do ano que encontrei uma soluçaõ mais ao meu gosto! O tipo de salada que se faz em grande quantidade, tempera-se e aguenta-se bem no frigorifico uns quantos dias, isto é se durar assim tanto… pois uma vez que temos salada feita, temperada e tudo, é muito facil de adiciona-la a qualquer refeição, a própria salada é por vezes uma refeição, adicionando arroz integral ou batata doce assada e está feito.

Esta de couve roxa é que tenho feito mais vezes, com algumas variações, mas a de hoje tinha:

Couve roxa, beterraba, cenoura, coentros, hortelã, sultanas, sementes de girassol e abóbora. Ás vezes também adiciono maçã ou couve branca e quando não tenho um ingrediente ou outro falo à mesma. O tempero foi com azeite, vinagre de cidra, mel, alho, gengibre e molho de soja.

Eu até nem sou pessoa de fazer comida separada para as minhas crianças, mas como sei que alguns deles come um ingrediente ou outro desde que não esteja tudo misturado, normalmente junto a beterraba e cenoura ralada só com azeite e vinagre, e numa outra tigela as sementes tostadas, e se não se comer tudo, também dura uns dias no frigorifico.

Outras saladas que gosto de fazer, dentro da mesma ideia:

Ontem, encontrei esta salada de couve-flôr que me parece deliciosa, e esta ainda não experimentei ainda mas parece-me que também se mantenha fresquinha durante uns dias.

 

 

 

One year of “zero waste”

P1110656

Em Português mais abaixo.

It’s been more than a year that I read that book, made myself a few muslin cotton bags and made a  commitment to reduce our waste and as back then I still struggle to use the term Zero Waste for many, many reasons, but for lack of a better shorter term, and because nowadays is so easily recognizable, I still use it, especially in tags on instagram and will keep using it to categorize this kind of posts, however, there are a few things I wanted to address here first.

Even most of the more devotees to this lifestyle recognizes that is very difficult for an individual in our modern society not to create waste, but on a more personal level, in reality I cannot, at this stage of my/our life aim for a total zero waste lifestyle. Each person/couple/family have personal circumstances that must be respected, but that doesn’t mean we can’t change our habits, we must! However small steps and a more positive way of looking at what we can achieve is a better attitude and helps us to make long lasting changes that we can stick with more easily.

There was a time, earlier on, where I did try to shop zero waste and after awhile I came to the conclusion that I simply couldn’t keep up! I was stressing over it too much and more importantly,  the simple truth is I just can’t afford it. That doesn’t mean its business as usual; what I’m trying to say is: in a more honest way, my aim is to reduce our waste, which we’ve actually managed to do! Instead of fretting about the amount of recycling and rubbish we were creating I decided to look at the amount we’ve reduced, which has been significant, and as I said above, this shift of perspective has been better for my mental health, therefore, I believe, easier to keep those changes and keep working to reduce it even further. Now that I have gotten that out of the way, I’m ready to share in following posts, some of the steps we’ve taken to reduce waste for our family of five with a limited budget.

 

Já lá vai um ano desde que eu li aquele livro, fiz uns saquinhos de pano e decidi reduzir o nosso lixo, e tal como antes, continuo a não me sentir confortavel com o termo “zero waste” ou desperdicio zero, por várias razões. Mas por falta de um termo melhor e de fácil identificação continuo a usá-lo, principalmente no instagram e continuarei a usar para categorizar este tipo de postes, no entanto há umas quantas coisas que eu gostava de falar primeiro.

Até mesmo as pessoas mais devotadas a este estilo de vida reconhecem que é muito dificil para um individuo na nossa sociedade moderna não criar nenhum desperdicio, mas num sentido mais pessoal, nesta altura da minha/nossa vida, simplesmente não me é possivel tentar atingir um estilo de vida totalmente de desperdicio zero. Cada pessoa/casal/familia tem circunstâncias pessoais que têm de ser respeitadas, mas isso não quer dizer que não podemos mudar os nossos habitos, nós temos mesmo que mudar! No entanto passos pequenos e uma atitude mais positiva em relação ao que nós podemos conseguir ajuda-nos a fazer mudanças que poderemos manter mais facimente a longo prazo.

No inicio eu ainda tentei fazer compras sem desperdicio, mas passado pouco tempo cheguei à conclusão que simplesmente eu não conseguiria manter esse estilo de vida! Eu stressava muito e o mais importante, e a simples verdade é que simplesmente eu o dinheiro não chegava. Mas isso não quer dizer que voltou tudo como era antes; o que eu quero dizer, numa maneira mais honesta, o que eu estou a tentar fazer é reduzir o nosso desperdicio, o que nós já conseguimos fazer! Em vez de me preocupar com a quantidade de reciclagem e lixo que nós produzimos em casa eu decidi observar é o que nós já conseguimos reduzir, o que é significante, e ta como disse acima, esta mudança de perspectiva tem sido muito melhor para a minha saúde mental e por isso mesmo eu acredito que manteremos mais facilmente essas mudanças e nos permitirá continuar a trabalhar para reduzir ainda mais. Agora que já falei sobre estas questões, estou pronto par apartilhar em futuros postes, os passos que temos dádo para reduzir o desperdicio de uma familia de cinco pessoas com um orçamento limitado.

 

 

a gathered holiday tree

p1090317p1090321p1090334p1090380p1090408p1090410p1090413p1090442p1090446p1090449

On Sunday we went for a walk to gather materials for our Christmas tree. Last year we made it like this and the children wanted to do the same this year, but there are no holes in the house from which to hang it like that. While looking at a craft book we came across the idea of a pyramid made with sticks for a table center piece, and we all agreed if we made it bigger it would make a great holiday tree.To me It’s a beautiful tradition we are creating, the making of our tree, and it warms my heart to know that, they too, prefer to make one than to buy.

The tree itself is made with fallen sticks, mainly of acacia (there are loads of acacias here, it’s nearly or maybe worse than eucalyptus), and then we picked a few other bits to wind around the main sticks. It has ivy, maple, pine, cypress, more acacia and other bits that I can’t identify. I really like that is made from a variety of plants around us rather than just one specie.

We also made a new advent calendar. I usually come up with the ideas myself, but this year we all contributed to it. We mixed the papers (except special days like Solstice or Christmas eve), and then hang them up, that way no one knows exactly what the activity for the day is and is a surprise for us all.

shop update

P1060610 - Copy

P1060605 - Copy

The post I have waited so long to do is finally here! After years of planning, years of trying to save and even more of actually saving, we are now ready to embark on a new adventure. I have wrote a little about it before. We’re chasing a wish, a dream and see what we can make of it and what opportunities come our way. Just now, we’re too much in the middle of it all to write more and there are too many things to organize and pack…

If you would like to help us and in return receive beautiful and useful Earth friendly things, go to my shop (I’ll keep updating it in the next few days, so please check often), and for one week only enter the code LighterPacking to receive a 10% discounted. This is valid until September 15th, after that the shop will close for a few weeks or months and I’m sorry to say, postage will be more expensive to the UK…

 

reusable tea bag

If you drink herbal tea for medicinal purposes, chances are you’ll need to drink several several cups a day. The quantity depends on many factors, but at the moment I should be drinking four but I’m lucky if I remember to drink two… Obviously is not enough.

So the solution? Make a big batch in the morning and drink throughout the day. And that’s where this reusable tea bag comes in, made of organic non-bleached muslin cotton, made in India. You can fill it with one or up to seven or eight teaspoons of loose tea (it shouldn’t be pack full so the herbs have plenty of space inside). After use, turn it inside out and wash under running water. The fabric is so thin that it’ll dry in a couple of hours, I usually leave mine to dry on the dish rack. And that’s it, as easy as that!

These bags would also be great for herbal bath (where you fill the bag with herbs and drop it in the bath while the water is running, or if you don’t have time, tie the bag onto the shower head and have a herbal shower).

They are now available in the shop in sets of two!

(zero waste) Lunch / picnic

So far lunch has been the most difficult thing about this decision!

Not the kind of lunch that we cook and eat at home, but the other, the one we pack and eat out. Where before I relied on rice crackers, oat cakes and pasta for quick fixes, now I don’t have that to fall on… Crackers always come wrapped in plastic, even the ones coming from a carbon neutral company I don’t think they are recyclable, at least I had a look and didn’t see the sign.

Besides this conundrum I’m also very lucky to have a fussy child to feed! Well, he is fussier that the other two, so I’m assuming that he is a fussy eater…

So, what to do? First I brainstormed with the children; what do they think we could take for lunch when we’re out? We now have a list of acceptable foods, but the most difficult part is that I have to get in the habit of preparing food the night before, and as we know habits, especially the ones that are good for us, are difficult to implement!  Is not that the food is hard to prepare or cook, is just that is one more thing to do, to plan, to think about…

Anyway, next week is a new week, let’s see how we do with this list and a commitment for new habits.

 

Até agora o almoço tem sido a coisa mais dificil sobre esta decisão!

Não o tipo de almoços que cozinhamos e comemos em casa, mas o outro, aquele que levámos para comer lá fora. Antes quando não tinha muito tempo para preparar o lanche, valia-me as bolachas de arroz, aveia e massas, mas agora não tenho nada dessas coisas porque até mesmo os pacotes de massa de arroz integral ou a bolachas de arroz de uma companhia “carbon neutral” não são reciclaveis, pelo menos eu tentei ver e não vi o sinal.

É que para além disto tudo, eu ainda sou sortuda de ter um filho esquisito com a comida! Bem, ele é mais esquisito do que os outros dois, por isso eu imagino que seja esquisito…

Então o que fazer? Primeiro perguntei às crianças o que é que eles gostam de comer quando fazemos um picnic e agora tenho uma lista de comida aceitavel, mas o mais dificil é que eu tenho que criar o habito de preparar a comida no dia anterior, e como nós sabemos, habitos, especialmente os que são bons para nós, são dificeis de implementar! Não é que a comida seja dificil de preparar ou cozinhar, mas é mais uma coisa para fazer, planear, pensar…

Mas pronto, a próxima semana é uma semana nova e com a tal list de comida e o compromisso de criar um novo habito, vamos a ver como é que corre.